19989167871

Novidades Clinesp

19 de Agosto 2019

Mudanças no eSocial: o fim das exigências com Saúde e Segurança do Trabalho?

O Governo Federal recentemente divulgou alterações no eSocial, mas isso não representa o fim do envio das informações por meio eletrônico e muito menos o fim das exigências com Saúde e Segurança do Trabalho. Isso tudo não deve ser visto como uma obrigação para cumprir mais requisitos impostos pelo Governo, mas como uma cultura a ser adotada para melhoria das condições de trabalho e operações corporativas.
Práticas e ambientes seguros, em conformidade com a legislação, refletem mais produtividade e satisfação. A conscientização dos colaboradores e gestores da importância da Saúde e Segurança do Trabalho como prática e rotina visa o benefício de todos e não deve ser encarada simplesmente como regras a serem seguidas. O sistema criado visa facilitar a transmissão de informações e não criar mais uma obrigação. Para tudo isso funcionar de fato dentro da empresa, é necessário que todos estejam preparados, precisa ter gestão. A gestão da Saúde e Segurança do Trabalho deve estar diretamente ligada aos negócios da empresa e deve ser vista como uma proteção. Em qualquer negócio que fazemos, nos asseguramos da eliminação ou redução dos riscos. Numa compra, contratação de um serviço ou investimento, sempre analisamos a segurança desse negócio, do vendedor e produto comprado. Essa base deve ser sólida para garantir o bom negócio. Nas empresas ocorre a mesma coisa, a Saúde e Segurando do Trabalho devem ser a base, a fundação para as empresas se manterem firmes aos riscos da não conformidade, que poderiam trazer gastos com penalizações, multas e processos.
Devemos investir em Saúde e Segurança do Trabalho não por medo da punição, mas porque é necessária e seus benefícios são garantidos. A Clinesp está pronta para te assessorar e atua na área de Saúde e Segurança do Trabalho há mais de 15 anos. Sempre investindo em inovação, bom atendimento e tecnologia. Com competência e experiência na elaboração dos programas ocupacionais, avaliações ambientais, assessoria e gestão ocupacional.
A Clinesp conta com uma equipe de Médicos, Engenheiros e Enfermeiros especializados na área ocupacional, Técnicos de Segurança do Trabalho, Psicólogos e Colaboradores capacitados além de estrutura preparada, que conta com aparelhos avançados para as mais diversas necessidades como exames laboratoriais, eletrocardiograma, eletroencefalograma, audiometria, otoneurológico, espirometria e unidade móvel que pode atender os colaboradores in Company. Também possui equipamentos de última geração para elaboração de avaliações ambientais como laudos de agentes químicos, medição de calor IBUTG, dosimetria de ruído, medição de iluminação entre outros.


15 de Agosto 2019

Avaliação Psicossocial

A Avaliação Psicossocial é uma investigação do processo de preservação da saúde do trabalhador e compreende aspectos comportamentais e de perfil psicológico, com foco na estrutura psíquica do profissional.
É o processo de avaliação para identificar condições clínicas, sociais e laborais que compõem a realidade pessoal e profissional dos trabalhadores.
A avaliação psicossocial deve ser realizada por profissional habilitado e ser feita periodicamente, pois mesmo que o trabalhador seja contratado em condições adequadas de saúde física e mental, poderá apresentar ao longo do tempo, fatores estressores que poderão comprometer suas atividades laborais, sendo necessário que tal avaliação seja realizada dentro de periodicidade orientada no PCMSO (programa de controle médico de saúde ocupacional) da empresa.
O QUE SÃO TESTES PSICOLÓGICOS PARA AVALIAÇÃO PSICOSSOCIAL?
Conforme resolução CFP 005/2012 testes psicológicos são instrumentos de avaliação ou mensuração de características psicológicas, constituindo-se um método ou uma técnica de uso privativo do psicólogo.
Teste para avaliação psicossocial é uma das técnicas utilizadas para avaliar candidatos que vão trabalhar ou que já trabalham em espaço confinado, altura, entre outros, chamados de cargo de risco. Com o teste para avaliação psicossocial é possível identificar características psicológicas necessárias e importantes para que a pessoa consiga desempenhar suas atividades de maneira segura. O resultado tem o objetivo de responder a seguinte questão: o indivíduo dispõe das características psicológicas exigidas para exercer o cargo de risco?
A Avaliação Psicossocial é obrigatória, conforme exigências do Ministério do Trabalho e Emprego, em trabalhadores que exercem atividades em espaços confinados (NR 33), em altura (NR 35), entre outros.
QUAIS OS TIPOS DE TESTE PARA AVALIAÇÃO PSICOSSOCIAL MAIS UTILIZADO?
O teste para avaliação psicossocial tem por finalidade identificar determinadas características sendo os mais utilizados o AC Atenção Concentrada, Palográfico, ESAVI, BGFM-1, BPA, EPR, TEPIC-M, EBADEP, EVENT, QUATI. A avaliação do psicólogo propicia um resultado confiável APTO ou INAPTO.
Claudia Noto – psicóloga
CRP nr. 51581/7


03 de Agosto 2019

Mês dos Pais

Porque, pai é exemplo de força e poder! ❤
Força... Se adquire com saúde! 😁
E a Clinesp é referência em saúde. 💁‍♀
Poder... Se adquire com sabedoria!
E o temor a Deus, é o princípio da sabedoria. 🤗
☎ (19) 3827-8000
#Diadospais #Mêsdospais #Saúdeemdia #Clinesp


27 de Julho 2019

Dia Nacional de prevenção de acidadentes de trabalho

As ações das instituições e novas medidas prevencionistas no ambiente de trabalho, vêm colaborando com as reduções dos acidentes. No dia 27 de julho celebramos o Dia Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho. A data é símbolo da luta dos trabalhadores brasileiros por melhorias nas condições de saúde e segurança no trabalho.
No início da década de 70, a iniciativa do Banco Mundial em cortar os financiamentos para o Brasil, caso o quadro de acidentes de trabalho não fosse revertido, resultou na publicação das portarias nº 3236 e 3237, em 27 de julho de 1972. Segundo estimativas da época, 1,7 milhão de acidentes ocorriam anualmente e 40% dos profissionais sofriam lesões.
O então ministro do Trabalho, Júlio Barata, além de assumir as implementações das portarias, que regulamentavam a formação técnica em Segurança e Medicina no Trabalho, atualizou o artigo 164 da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), que discorre sobre as condições internas de uma empresa, em relação à saúde e a segurança, mas precisamente sobre a atuação e formação da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA).
De acordo com a Previdência Social, acidente de trabalho é aquele que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa ou pelo exercício dos segurados especiais, provocando lesão corporal ou perturbação funcional, permanente ou temporária, que causa a morte, a perda ou a redução da capacidade para o trabalho.

Conforme estatísticas de abril de 2009 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), segundo o site, os acidentes do trabalho são a causa da morte de dois milhões de pessoas por ano, em todo o mundo e de acordo com a Organização, esses números representam mais mortes do que as ocasionadas pelo uso de drogas e álcool juntos. Somados a esses números são registrados em média quase 270 milhões de acidentes não fatais e 160 milhões de novos casos de doenças ocupacionais.
Para tentar reverter esta situação, desde a sua criação, no ano de 1941, conforme Ata registrada a ABPA – Associação Brasileira para Prevenção de Acidentes, com missão puramente humanitária, de proteção social, tem por finalidade, as ações que visem realizar o atendimento social, sem discriminação de etnia, gênero, orientação sexual e religiosa, bem como, aos portadores de deficiência. Propagar, cultivar, incentivar, apoiar, fomentar e atuar direta ou indiretamente, em prol da prevenção de acidentes e proteção a saúde e o objetivo principal da ABPA.

A ABPA possuiu diversas categorias de associados, Estudantes, Profissionais e Empresas, que visam buscar e identificar condições causadoras e geradoras de acidentes e a partir do conhecimento destas, propor medidas preventivas.
O Brasil foi o primeiro país a ter um serviço obrigatório de Segurança e Medicina do Trabalho em empresas com mais de 100 funcionários. Este passo foi dado no dia 27 de julho de 1972, por iniciativa do então ministro do trabalho Júlio Barata, que publicou as portarias 3.236 e 3.237, que regulamentavam a formação técnica em Segurança e Medicina do Trabalho e atualizando o artigo 164 da CLT. Por isto, a data foi escolhida para ser o Dia Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho.
Era um período de fragilidade no tocante à segurança dos trabalhadores no Brasil. O número dos acidentes de trabalho era tão grande, que começaram a surgir pressões exigindo políticas de prevenção, inclusive com ameaças do Banco Mundial de retirar empréstimos do país, caso o quadro continuasse.
Ao completar 40 anos, não se pode pensar em uma empresa que não esteja preocupada com os índices de acidentes de trabalho. A segurança é sinônimo de qualidade e de bem-estar para os trabalhadores. Financeiramente, também é vantajoso: treinamento e infra-estrutura de segurança exigem investimentos, mas por outro lado evitam gastos com processos, indenizações e tratamentos de saúde, em casos que poderiam ter sido evitados.

"PREVENIR - PARA REDUZIR PERDAS HUMANAS E FINANCEIRAS"